O que é o Software Livre?

A filosofia do Software Livre encontra as suas raízes na livre troca de conhecimentos e de pensamentos que podem tradicionalmente ser encontrada no campo científico. Tal como as ideias, os programas de computador não são tangíveis e podem ser copiados sem perda. A sua distribuição é a base de um processo de evolução que alimenta o desenvolvimento do pensamento. Software livre significa que os usuários do software têm liberdade (A questão não é de preço.)

Nós desenvolvemos o sistema operacional GNU de modo que os usuários possam ter liberdade no uso do computador. – Richard Stallman

Especificamente, software livre significa que os usuários têm as quatro liberdades essenciais, No inicio dos anos 80, Richard M. Stallman foi o primeiro a formalizar esta maneira de pensar para o software

1ª liberdade: A liberdade de executar o software, para qualquer uso.

2ª liberdade: A liberdade de estudar o funcionamento de um programa e de adaptá-lo às suas necessidades.

3ª liberdade: A liberdade de redistribuir cópias.

4ª liberdade: A liberdade de melhorar o programa e de tornar as modificações públicas de modo que a comunidade inteira beneficie da melhoria.

O software que siga esses quatro princípios é chamado “Software Livre” (ou Free Software).

Para suportar essa idéia e fazer com que tudo isso se realize, Richard M. Stallman criou a “Free Software Foundation” em 1984 e lançou o projecto GNU. A licença do projecto GNU, a Licença Pública Geral GNU (GNU General Public License, GNU GPL ou GPL simplesmente quando o contexto não permitir dúvidas sobre ao que se refere), não somente concede as quatro liberdades descritas acima, mas também as protege. Graças a essa protecção, a GPL é, hoje em dia, a licença mais utilizada para o Software Livre.

Ao lado da GPL existem outras licenças que concedem essas liberdades, o que as qualifica de licenças de Software Livre. Uma delas, a licença FreeBSD, merece uma menção particular. A principal diferença com a GPL é que ela não procura proteger a liberdade.

Quando se fala de Software Livre, uma confusão frequente é de pensar que um tal software deve ser grátis (principalmente porque em inglês Free significa livre, mas também significa grátis). Na realidade, uma grande parte dos protagonistas do Software Livre, que trabalham no campo do Software Livre comercial. Em 1998, a “Definição do Open Source” (Open Source Definition) foi escrita tendo o cidadão dos E.U.A. Bruce Perens como autor principal. O seu objectivo era descrever as propriedades técnicas do Software Livre e ser utilizada como texto fundador do movimento “Open Source” (Open Source Movement). A “Definição do Open Source” é ela mesma derivada das “Linhas Directoras do Software Livre Debian”, que derivam das quatro liberdades mencionadas acima. Consequentemente, as três definições descrevem as mesmas licenças; a “Licença Pública Geral GNU” (GPL) é a licença de base de todas as definições.

O movimento “Open Source” tem por objectivo ser um programa de marketing do Software Livre. Esse objectivo deliberadamente ignora todos os aspectos filosóficos ou políticos; estes aspectos são considerados prejudiciais à comercialização. Por outro lado, o movimento Software Livre considera o ambiente filosófico/ético e político como uma parte essencial do movimento e um dos seus pilares fundamentais.

Para leituras complementares CLIQUE AQUI.

Fonte